Trauma da Repressão do Feminino – segundo Fanny Van Laere e Leonard Orr

Em tempos que se fala tanto de Empoderamento do Feminino, cura do feminino, feminino Sagrado, e que  se confunde isso com feminismo ou política;  esse texto da Fanny e Leonard Orr no manual de Renascedores é bem pertinente…

IMG_20180421_083323512

A maioria das pessoas teme seu lado mais sensível, suave e vulnerável. Elas reprimem qualidades femininas como a intuição, a sensibilidade, a vulnerabilidade, a gentileza, a escuta e a confiança porque têm medo de serem feridas de novo. Vivemos em um mundo no qual nos ensinam que, para sobreviver, precisamos ser fortes e que a vulnerabilidade é algo negativo ou perigoso, quando, na realidade, reconhecer a nossa vulnerabilidade abre as portas para uma força e uma autoestima maiores e nos faz mais humanos.

A maioria das mulheres se subestima desde cedo e a maior parte dos homens acha difícil aceitar e expressar suas emoções. A relação entre a repressão interna de nosso lado feminino (tanto dos homens como das mulheres) e o estado atual de nossa sociedade (como as pessoas se relacionam entre si, e o impacto negativo que a nossa existência tem sobre o ambiente) é óbvia. Nos desconectamos de nossa parte mais humana e sensível e nos é, portanto, impossível criar relações baseadas na cooperação e no amor.

A luta interna para silenciar nossa vulnerabilidade se projeta na forma em que vemos o mundo, e na dinâmica das relações que criamos. Os meninos aprendem cedo, no ambiente familiar, a competir em vez de cooperar.

As relações que temos estabelecido em nossa sociedade, sejam elas familiares, profissionais, sociais, religiosas ou com a psique das pessoas, são reflexos

do domínio do “forte” sobre o “fraco”.

Como afirma Michael Sky:

“A dominação do forte sobre o fraco, do rico sobre o pobre, do amo sobre o escravo, do soldado sobre o pacifista, do industrial sobre o camponês e da humanidade sobre os animais, as plantas e o ecossistema”.

O Mundo está organizado, há milênios, segundo estruturas e formas de pensamento fundamentalmente masculinas, nas quais se superestima a tecnologia e a análise racional.

Apesar de as mulheres usufruírem de mais liberdade desde os anos 70, e de muitos avanços terem sido feitos neste sentido, continuamos em uma era de supremacia política e social dos homens. Na mídia, as mulheres são comumente mostradas como objetos sexuais; e se ensina desde cedo as meninas que seu valor se baseia em sua aparência. Por outro lado, no setor público, os registros históricos tradicionais têm minimizado ou ignorado as contribuições femininas.

A história das mulheres começou a ser resgatada somente nos últimos vinte anos. Torço para que  a divulgação da vida de mulheres que tiverem um papel importante na história motive mais e mais hermanas –  de todas as idades- a terem mais confiança em si mesmas, para que possamos juntas trabalhar por mudanças positivas em nossa sociedade.

É fácil perceber como os outros traumas humanos têm relação com a repressão do feminino: ao nos desconectar de nosso lado mais sensível, nos afastamos de nossa verdadeira natureza e da Fonte. Esta é raiz do desejo inconsciente de morte, porque, quando nos desconectamos da vida, nos tornamos autodestrutivos. aí também se encontra a raiz da mentira pessoal: nossa mente cria uma identidade falsa e separada ao não permitir que nossa intuição se mantenha em contato com nossa verdadeira natureza e com a Fonte.   além disso, hoje em dia, a maioria dos bebês nascem em hospitais, onde a tecnologia é mais importante do que as verdadeiras necessidades da mãe e do filho. Michael Odent define esse fenômeno  como a supremacia do masculino no nascimento.

Da mesma forma, a senilidade é um processo de cura de todos os traumas da infância gerados por falta de apoio e de amor.  Por sua vez, o trauma escolar e a síndrome da desaprovação parental surgem em consequência da falta de respeito pelas necessidades e pela criatividade da criança.

É difícil imaginar o que ocorreria se alcançássemos o equilíbrio entre nosso lado feminino e masculino. Provavelmente, viveríamos em um mundo povoado exclusivamente por pessoas amorosas, poderosas e bondosas. Criaríamos o paraíso na Terra.

É interessante observar  que os historiadores relatam que o patriarcado começou entre 6.000 e 5.000 anos atras e que, no Gênesis, a  expectativa de vida se reduziu de 1.000 anos (Adão e Noé viveram mais de 900 anos) para 120 anos no tempo de Noé. No Shiva Purana, uma das escrituras sagradas da Índia, também se relata que, há milhares de anos, todo o mundo sabia que a morte era opcional e as pessoas viviam milhares de anos. No entanto, os demônios começaram a matar pessoas e a morte se tornou popular.

Afirmações de cura do Feminino em homens e mulheres:
Quanto mais vulnerável eu, (coloque aqui seu nome) sou, mais forte eu sou.
Eu (coloque aqui seu nome) observo e aceito minhas emoções.
Eu, (coloque aqui seu nome) amo a mim mesmo(a) com todas as minhas emoções
Eu, (coloque aqui seu nome) estou atenta(o) aos sinais da vida.
Agora (coloque aqui seu nome) escolho as relações de cooperação em vez de relações de dominação-submissão
Eu, (coloque aqui seu nome) não me identifico mais com mais com estereótipos sociais. Sou Livre
Eu (coloque aqui seu nome) posso realizar as atividades que me agradam, independente de serem consideradas socialmente atividades masculinas ou femininas
Eu (coloque aqui seu nome) não espero que as mulheres e os homens de meu convívio se encaixem nos estereótipos sociais
Eu (coloque aqui seu nome) já não preciso me encaixar em nenhum estereótipo para me sentir amado(a) ou para sentir que mereço ser amado(a)
Eu (coloque aqui seu nome) valorizo as qualidades masculinas tanto nas mulheres quanto nos homens
Eu (coloque aqui seu nome) valorizo as qualidades femininas tanto nos homens quanto nas mulheres.
Para Mim (coloque aqui seu nome) os homens e as mulheres são igualmente Divinos
Para Mim (coloque aqui seu nome) minha verdadeira natureza homem/mulher é absolutamente perfeita e inocente.

Escolha uma das afirmações que mais te tocar o coração e repita várias vezes ao dia em voz alta e em pensamento para você mesmo(a).

Crie o Paraíso na Terra
Seja o paraíso na Terra
Eu Sou o Paraíso na Terra
Jay
Como Amor Lenshari <3

 

O que acontece quando uma mulher decide despir-se dos cabelos?

Dizem por aí que quando uma mulher mexe nos cabelos é porque lá vem uma grande transformação e que essa transformação é do tamanho da mudança no visual.

WhatsApp Image 2018-06-13 at 12.31.15

Se isso é verdade ou não eu já não sei mensurar. Sempre amei mudar meus cabelos, e  estava a muitos anos que com eles compridos. Me sinto entrando numa nova fase e chegou a hora de atender ao  chamado da Alma. Tomei a decisão de raspar  meus cabelos, por questões totalmente espirituais, a muito tempo sentia vontade de fazer isso,  e aconteceu numa linda cerimônia Budista, realizada por uma Lama muito amado que conheci em  minha tribo Condor Blanco.

Desde então venho me deparando com muitas percepções sobre mim mesma através de meu olhar e sentimentos e também através do olhar das outras pessoas  a meu respeito.

Encontrei um texto muito interessante sobre a linguagem corporal e os cabelos femininos (clique aqui para acessar), ao ler esse texto  pude entender um pouco de como venho me sentindo desde que raspei minhas madeixas, pois realmente tenho me sentido mais liberta da necessidade de agradar,  livre de máscaras, independente do julgamento das pessoas, que são muitos… Cada um tem um olhar e uma reação, alguns óbvios outros nem tanto!

O texto diz que rapar os cabelos era considerada uma punição as mulheres na idade média, além disso elas eram expostas em praça pública para xingamentos. Isso porque os cabelos eram e  ainda são considerados um simbolo da feminilidade, e sensualidade da mulher, e priva-las desse poder era uma alta punição.

“Nossa, está em tratamento? ahh que dó teus cabelos eram tão bonitos! Vai passar frio! Meu Deus cadê teu cabelo? Quanta coragem! Te honro por tua coragem! Te admiro! Um dia chego lá! ….silencio…. Estou chocada, desculpa não esperava!  Nossa me emocionei! Você está Iluminada! Parece uma Monja! outra…nossa eu já te admirava, agora mais ainda”

E a mais inusitada e engraçada de todas óbvio que só poderia vir de minha irmã:

“Naninha (meu apelido de infância) você pegou piolho?”

Essa ultima tem sido minha resposta aos que me perguntam onde estão meus cabelos…kkkkkk

careca

Todas essas afirmações e reações são espelhamentos de minha própria mente julgadora, e sou muito grata a cada comentário, que me possibilita a auto-observação. Me sinto liberando bloqueios e medos de desaprovação, criticas, etc. Pois não há como correr, não há o que fazer senão mostrar a cara limpa e admitir essa sou eu, não há a fuga da mão no cabelo, ou aquela virada de cabeça mexendo nos cabelos para distrair enquanto pensa na melhor resposta. Me dei conta do tamanho da identificação que eu tinha com minha aparência. Lembrando da lei da impermanência, tudo muda o tempo todo, e a identificação com a autoimagem é uma das  grandes ignorâncias do Ego e fonte de muito sofrimento, pois sou muito mais que minha aparência, e meus cabelos.

Sinto aflorar a criança  espontânea, genuína, leve e alegre, de riso solto;  Sentir isso tudo é libertador, e estou de verdade muito feliz!

“Meu pai sempre dizia: “Não estou aqui pra bonito, nem pra agradar a ninguém.”

Complemento sua frase dizendo: “Eu Lenshari não estou aqui pra bonito, nem pra agradar a ninguém, estou aqui para simplesmente Ser quem Sou!”

Mudanças irão dar-lhe vitalidade. Mais vivacidade, alegria, energia” ( Osho)

lama

Muita Gratidão pelas bençãos recebidas a Drupon Lama Dorge, esse momento é um instante além do tempo gravado em minha memória pra sempre!

Gratidão a todos meus amigos e familiares pela compreensão e viva as mudanças, em especial a minha amiga amada Fernanda Ranshira pela oportunidade.

Lenshari <3

Ela é apenas uma menina!

….“E eu que tinha apenas 17 anos

Baixava a minha cabeça pra tudo

Era assim que as coisas aconteciam

Era assim que eu via tudo acontecer ”  ( trecho da música Camila, Nenhum de Nós)

Ela era apenas uma menina, e o olhar tão maduro, as palavras tão amargas, será que o coração se fechou? Insisto um pouco mais e sinto a  geleira, e ela  diz que tanto faz!

Como assim, tanto faz, ela é só uma menina!

Onde está seu brilho de primavera?

Se apagou? Ahhh, ela é só uma menina!

Será que o  medo  venceu?

Ainda há esperança, posso sentir!

Ela é apenas uma menina!

Ela é apenas uma menina, e o inverno já chegou, as folhas caem e os galhos secam, mas a seiva continua a percorrer seu interior, posso sentir…

Ainda há vida, confia criança! Respira e solta …logo logo a Lua volta a brilhar!

Menina

Renascendo e Resgatando o Feminino em Homens e Mulheres.

A cura do feminino é uma jornada pessoal de auto encontro que iniciei faz alguns anos e que agora vem reverberando em meu trabalho, como reflexo de meu processo de cura pessoal, que é constante. Sigo redescobrindo minha mulher selvagem e instintiva, juntando os caquinhos do quebra-cabeça que me constitui e assim redesenhando minha própria forma de me expor ao mundo pessoal e profissionalmente.

Aprendi, ao longo de minha experiência enquanto terapeuta, que conforme avanço em meu processo pessoal de cura, avanço também no entendimento e na profundidade do processo de cura das pessoas que chegam até mim!  Isso é um ciclo vicioso, muito positivo e delicioso para mim.

1img_9474

Quando pequena era muito conectada a minha natureza, como toda criança. Lembro-me de particularidades de minha infância que hoje fazem todo sentido.

Há um Mestre que diz: “Quer saber qual o propósito de tua alma? É simples lembre-se do que mais gostava de fazer quando era criança, pois nessa fase você está muito mais próximo da origem do que na fase adulta. Faz pouco tempo que a criança está nesse mundo material e seu ego ainda não está completamente formado.”.

Assim, ao relembrar meu gosto pelas coisas da natureza, especialmente pelas estrelas, lua, ervas, e das bendições e rezas  de minha avó a qual eu adorava acompanhar; compreendo meu propósito maior.

Assim nasceu o projeto de um trabalho voltado para o resgate do feminino selvagem em homens e mulheres, feminino esse que conforme Clarissa Pinkola Estés em seu livro Mulheres que correm com lobos, significa viver uma vida natural, íntegra e com limites saudáveis.  Direcionado a Homens e Mulheres, pois confio que esse é o caminho despertar a todos independente de gênero para a importância de respeitarmos nossa natureza amorosa e sensível que trazemos desde nossa criação, tal qual Dra. Eleanor Luzes tanto afirma em sua tese de doutorado Ciência do inicio da Vida.

“Independente de sermos homens ou mulheres, cada um de nós tem um lado feminino e outro masculino. A felicidade, o equilíbrio emocional e psíquico e o grau de realização espiritual e pessoal de cada indivíduo dependem totalmente do equilíbrio e harmonia entre ambas as partes.” Fanny Van Laere

Como vimos há poucos dias nas manifestações nos Estados Unidos na marcha das mulheres, o despertar do feminino já começou, o que era antes silencioso em pequenos grupos e círculos femininos, agora tomou as ruas em milhares de pessoas expressando ruidosamente esse novo olhar da sociedade, que busca no amor, na aceitação das diferenças, na cooperação e no diálogo de um novo norte; e que se estende a muitos homens despertos ao tesouro que há nesse novo olhar de parceria e não mais de competitividade.

“Ao reprimir o feminino, o ser humano vem criando uma civilização que reprime a mulher e que está totalmente desconectada da natureza. Essa repressão, essas desigualdades e esta inconsciência infantil tem lugar em nosso subconsciente e realizam sua impressão em nossa memória celular.” Fanny Van Laere

Há muitas ferramentas que nos possibilitam trazer à luz a dimensão de nosso trauma com relação à repressão do feminino. Considero uma das mais eficientes e simples a pratica de estar na natureza com consciência, e presença, sorvendo cada instante que ela nos toca o coração. Seja pela interação com a água, com a terra, com animais, ou com o prana presente no ar que respiramos. Pois o feminino desperto está interligado ao instinto natural de coexistência que a natureza nos ensina e nos mostra diariamente. A liberação de memórias celulares acontece de forma simples e fluida na respiração do Renascimento também chamada de respiração consciente de energia circular.   Através dessa liberação é possível resgatar a confiança na entrega à vulnerabilidade que o feminino representa, e voltar a confiar que é possível e seguro sentir, intuir, acolher e retribuir qualquer sentimento que vier em nossos corações, e que isso nos torna únicos, verdadeiros e infinitamente divinos. Como gosto de afirmar, nesse instante percebemos o quão somo perfeitos em nossas imperfeições e luminosos em nossas sombras!

Redescobrindo o valor de nossa autenticidade, saímos do conceito de especialidades, onde cada um é visto por um ângulo limitado, unilateral. Deixando o feminino fluir relembramos que todos somos artistas de sua própria arte, que é única. Todos somos intelectuais, escritores, matemáticos, sonhadores, criadores, cada um do seu jeito. Somos multifacetados assim como a mãe natureza o é, e isso é lindo!

Bem vindos a todos que sentirem o chamado e tiverem a coragem para despertar, derrubar a barragem e deixar seu rio correr até se tornar Mar…

Diene Lenshari – Terapeuta e Renascedora,  Gineterapeuta -cuidadora do feminino, e facilitadora de seminários de cura do Feminino todo primeiro sábado de cada mês durante 2017.

16586881_10211839166645436_5660470118494033555_o

 

 

Ser Mulher pra mim é…

Ser Mulher pra mim é Ser Mãe mesmo que não tenhamos filhos nascidos de nossos ventres, pois essa é nossa Natureza,  Selvagem, Instintiva, e Criadora;

Ser Mulher é a brincadeira que viemos ter nesta vida, que é um maravilhoso Playground; Ser mulher é viver com  alegria, e  leveza, a plenitude da transformação que ocorre em nós;

Ser Mulher é brilho no olhar misterioso, é sensualidade, é beleza, é florescer; é ventania de transformação, é fortaleza na fragilidade; é firmeza, na delicadeza  e  flexibilidade;

Ser Mulher é brigar e morder, é virar guerreira, bruxa, ou feiticeira, se for preciso; Mas também é Ser fada, doceira, florista, amante, e amada;

Ser Mulher é acolher, sem reprimir, é aceitar sem julgar a Natureza e a  Abundancia de Seres que Habitam no interior de cada uma de nós, e que a cada fase da Lua se apresenta…

E pra você o que é Ser Mulher?

APOIANDO A ASCENSÃO DA NATUREZA